quinta-feira, 19 de junho de 2014

Ferramentas



Eu nasci e cresci dentro da doutrina Católica Apostólica Romana.
A maioria das pessoas que nascem e crescem dentro de uma única religião como eu, tendem a acreditar na sua religião, na sua verdade, como a verdade absoluta e tendem a ter preconceitos contra aqueles que não assumem essa verdade.
Inconscientemente aqueles que me introduzirão ao catolicismo passaram a mim esse preconceito, depois já jovem alguns com que convivi me ensinaram o preconceito e o julgamento de forma direta sobre o pretexto da evangelização para a salvação.
Fui ensinada que só a minha Igreja tem a verdade, que nada que venha de fora leva a Deus. Disseram-me que todas as coisas ordinárias e extraordinárias que acontecem no seio da minha Igreja vem de Deus, mas o que acontece nas outras são manifestações do demônio sobre o pretexto de enganar as pessoas.
Também me ensinaram, tanto meus primeiros catequistas como os mais recentes, coisas boas, realmente e extremamente boas sobre a minha fé católica.
Veja bem, uma coisa que não me ensinaram diretamente lá, mas que é reforçada pelos ensinamentos dignos que aprendi é que as religiões não são feitas pra Deus e sim feitas por Deus para sejam um instrumento para nos aproximarmos dele.
Quem precisa da Igreja, da fé, da religião somos nós e não Deus. Por isso os ensinamentos que obtive dentro da minha fé me levaram e me levam pra próximo de Deus.
Uma vez ouvi que todos temos uma saudade muito grande dentro de nós, uma saudade que nada e ninguém nunca poderão suprir. Essa saudade é da primeira troca de olhares que tivemos com Deus durante a nossa criação e só será suprida quando encontrarmos novamente o olhar de Deus depois do fim. É por isso e pra isso que vivemos (conscientes ou inconscientes): Nos reencontrarmos com Deus.
Isso move as nossas vidas e cada um tem a liberdade de procurar e tentar da sua maneira chegar a essa meta.
Eu sempre tive orgulho de dizer que a Igreja Católica tem dentro de seu seio os mais variados movimentos para suprir a necessidades das mais variadas pessoas. O Espírito Santo sopra e suscita aquilo que o povo precisa e hoje, por mais que muitos não entendam, eu acredito que Deus e o Espírito Santo fazem isso no mundo todo e não apenas na minha Igreja e me sinto feliz por entender isso.
Foi necessário chegar aos meus 24 anos toda cheia de mim, cheia de orgulho, preconceitos e julgamentos, torcendo meu nariz pra meus amigos e professores que diziam suas verdades e me faziam confrontar a minha verdade trazendo luz a questões que tinha deixado debaixo de tapetes por muito tempo.
Foi necessário ouvir um dos professores que eu mais julgava me contar uma história e me fazer entender que eu nunca irei poder ver, experimentar e tocar a Deus em sua plenitude e que a minha experiência nada mais é que apenas “um pedaço do elefante” e que outras pessoas talvez estejam a experimentar tocar os outros pedaços do mesmo elefante.
Foi necessário olhar pra uma das pessoas que mais eu admiro e mais amo nesse mundo estar indo em outra religião para eu perceber que mais do que querer que ele viva o que eu vivo eu quero que ele seja feliz.
Eu sempre lutei para ter minha liberdade, para eu poder ter meus cabelos coloridos, minha fé, gostar de 1D, dormir em filas, ir em shows, cantar e dançar o que eu acho que me cabe sem que me julgassem, mas não agi da mesma forma em relação aos outros e quanto isso me fez me sentir cruel e má hoje quando julguei e chorei porque eu queria, como uma criança mimada, que uma pessoa livre vivesse o que eu vivo só porque pra mim isso é bom.
Eu chorei horas depois por ter noção de quanto egoísta eu sou por sentir isso. O quanto o julgamento me faz cega e ao contrário de me aproximar de Deus isso me afasta dele.
Li numa ocasião que Deus procura de todos os meus nos salvar, que como nós a sua essência também é nos ter com Ele, mas ao contrário de nós Ele respeita nossa liberdade. Hoje, como disse anteriormente no texto, acredito que as diversas religiões são uma ferramenta que Deus nos dá para no final estarmos com Ele e isso só me faz amá-Lo mais e mais.
Ontem quando eu entrei na sala de milagres* no santuário de Santa Rita aqui no interior do Paraná eu olhei aquelas fotos e chorei me lembrando de todos os milagres que Deus realizou em minha vida. Milagres dos mais pequenos até os mais exuberantes que Deus realizou e realiza na minha vida e na vida daqueles que amo.
Chorei quando me ajoelhei em frente ao santíssimo e senti saudades de Deus. Agradeci porque mesmo que eu esteja “longe” Dele, Ele nunca ficou longe de mim.
E ao ver o meu menino numa outra religião diferente da minha e buscando ser fiel aos ensinamentos propostos a ele nessa religião para que assim ele encontre a paz, eu lembrei que nada adianta eu bater no peito e dizer que nasci e cresci numa religião, mas não a viver, não ser fiel a ela.
Eu amo profundamente a minha Igreja Católica Apostólica Romana, sou apaixonada pelos seus ensinamentos e achei nela a minha ferramenta para um dia, pela graça Dele, encontrá-Lo.
A partir de hoje desejo de todo coração não tentar obrigar mais ninguém a ter que viver o que eu vivo, acreditar no que acredito e mais do que eu isso eu peço a Deus que eu consiga a grande graça de não julgar os outros, mas sim amá-los e rezar para que todos consigam a sua maneira irem ao encontro de Deus, seja por qual nome eles O chamem.
Eu comecei esse texto dizendo que nasci e cresci dentro da Igreja Católica Apostólica Romana e hoje com toda a certeza da minha alma eu digo que desejo profundamente por livre desejo morrer SENDO Católica Apostólica Romana.


*Sala de Milagres é onde as pessoas levam algum objeto para agradecer uma graça alcançada através da intercessão de Maria ou de algum santo.

Um comentário:

  1. Perfeito Vivi... Isso é ser fiel é ter nada mais nada menos que Deus no nosso coração, ele que nos guia ele que nos da força, ele que nos alimenta e o melhor ele que nos salva. acredito muito nisso, acredito que o importante e termos nosso coração no lugar e ter nosso Deus conosco e independente de religião possamos ter ele no nosso interior. Amém por tudo e eu te digo uma coisa tbm sou feliz por ser católica apostólica romana.

    ResponderExcluir